30 julho 2010


"O caráter destrutivo não vê nada de duradouro. Mas, por isso mesmo, vê caminhos por toda parte. Mesmo onde os demais esbarram em muros ou montanhas, ele vê um caminho. Mas porque vê caminhos por toda parte, também tem que abrir caminhos por toda parte. Nem sempre com força brutal, às vezes, com força refinada. Como vê caminhos por toda parte, ele próprio se encontra sempre numa encruzilhada. Em nenhum momento sabe o que trará o próximo. Transforma o existente em ruínas, não pelas ruínas em si, mas pelo caminho que passa através delas. Quem abre sempre caminhos tem no movimento seu signo vital. A imobilidade e sua representações são cartas fora do baralho: E agora? Continuemos, parar é que não é possivel. Apocalipse só se for agora, eu só quero saber do que pode dar certo e não é perto nem está no fim." (Torquato Neto)