28 junho 2011


PRIMEIRA (p)ARTE
da SEGUNDA
FEIRA da SAUDADE



Eu e minha velha saudade do Arte Jovem. Rejuvenesço cada vez que a revejo. Arejo a cuca, reapareço. Moleque fico, menino (tra)avesso. Ela e meus novos (ex) critos. Gosto quando juntos se movem. Anoiteço cedo no Convés ... Tarde fica mas no foco permaneço. Espaço aberto, nunca escasso. Movimento de pés pro alto nível poético. Manadas (teias) alcatéias ... Coletivos em (rede) coletando, revitalizando ideias. Vontade bateu a(`) porta se abriu. Faço-me presente e digo que aqui estou, de volta, para versar e lembrar, inclusive ...

QUE SAUDADE NÃO SE MATA ... SE VIVE!

VIVAMOS JUNTOS MAIS UM ANO DE ARTE SINCERA, À VERA ... Sem descaso. Descanso só em último caso. Até SEGUNDA (des)ordem, permaneçamos em riste! Nessa FEIRA da cultura tudo pode, tudo se revela, tudo (re)existe!

“CULTURA É O CAMINHO QUE O HOMEM PERCORRE PRA SE CONHECER ... O RESTO É INFORMAÇÃO” (Manoel de Barros)

* Esta coluna é publicada mensalmente no periódico do Movimento Arte Jovem Brasileira, realizado no Espaço Convés, em Niterói (RJ) e que recomeça seu trabalhos na próxima segunda-feira, dia 4.